Como se comportar durante as comemorações de final de ano que ocorrem nas empresas

Como a nova previdência afeta empresas e colaboradores
18 de novembro de 2019
O ótimo vendedor nasce pronto? Saiba como potencializar suas vendas!
25 de novembro de 2019

Alexandre Slivnik explica quais são as atitudes que devem ser evitadas durante as confraternizações


Com o final de ano se aproximando, as celebrações nas empresas também chegam. Nessas festas é muito importante estar atento, seja como colaborador ou como gestor, e claro, manter um bom comportamento durante esses momentos.

Com isso em mente, o especialista em gestão de pessoas e diretor da Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD), Alexandre Slivnik, oferece algumas dicas de maneiras para essas festas sem esquecer que o momento é de comemorações. “Esse é o momento das pessoas serem de fato quem elas são e mostrar isso. Tem que se divertir e brincar também. Embora muitos líderes fiquem receosos com isso, é importante lembrar que essa é uma oportunidade de conhecer melhor a equipe”, conta.

A maioria das empresas tem o costume de permitir o consumo de bebidas alcoólicas e, segundo Slivnik, realmente não há motivos para vetar, ainda mais por ser uma época em que se celebram os resultados e as conquistas do ano. No entanto, é muito importante manter os bons modos para que a presença não se torne inconveniente.

O especialista reforça que é preciso ter bom senso em todas as situações. “Qualquer tipo de atitude que foge dessa norma, não necessariamente deve ser repreendida, mas se a conduta vai contra os valores da empresa, é essencial dar o feedback para esse colaborador. Se a situação se repetir além de duas vezes, pode ser que desligar esse colaborador seja uma opção, afinal, um desalinhamento de valores é péssimo para o resultados das empresas”, explica o Alexandre.

O colaborador pode sim se soltar, mas apenas até o momento em que ele acredita que pode se controlar. E aí está o desafio: muitos acham que estão sob controle e, no entanto, perante os outros não estão. “É claro que os superiores estão sempre de olho nos funcionários e esse é um momento de análise, então os excessos podem ser prejudiciais. Embora seja um ambiente profissional, os trabalhadores devem se permitir e agir como são normalmente, se divertir, brincar, mas sem perder o senso comum”, aponta.

Esse é o momento onde o colaborador extravasa, então o momento de alegria é importante, ele pode comemorar, celebrar o ano que passou, desde que as atitudes não interfiram na vida de outras pessoas. “A partir do momento em que isso acontece, a festa acaba”, finaliza.

Alexandre Slivnik
Alexandre Slivnik
Autor de diversos livros, entre eles do best-seller O Poder da Atitude. É sócio-diretor do Instituto de Desenvolvimento Profissional (IDEPRO), diretor-executivo da Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD) e diretor geral do Congresso Brasileiro de Treinamento e Desenvolvimento (CBTD). É membro da Society for Human Resource Management (SHRM) e da Association for Talent Development (ATD). Palestrante e profissional com 19 anos de experiência na área de RH e Treinamento. É atualmente um dos maiores especialistas em excelência em serviços no Brasil. Palestrante Internacional com experiência nos EUA, ÁFRICA e JAPÃO, com especialização em HARVARD (Graduate School of Education - Boston / EUA).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *